Minha Casa Minha Vida, Como se Cadastrar no Progama

PUBLICIDADE CONTEÚDO CONTINUA APÓS PUBLICIDADE

O governo federal anunciou a retomada do programa Minha Casa Minha Vida, que tem por objetivo facilitar a compra da casa própria para famílias de baixa renda. O presidente, informou que, até 2026, serão contratados dois milhões de moradias. Entre as novidades anunciadas estão o retorno da Faixa 1 e a entrega de 2.745 unidades habitacionais pelo país.

Uma pesquisa realizada pelo IBGE em 2008 revelou que o Brasil tinha um déficit habitacional de aproximadamente 7,9 milhões de imóveis. Para contornar essa situação, o governo lançou o programa Minha Casa Minha Vida em 2009. O programa oferece financiamento facilitado para diferentes faixas da população, com taxas de juros menores e subsídios. 

PUBLICIDADE CONTEÚDO CONTINUA APÓS PUBLICIDADE

Na Faixa 1, por exemplo, os brasileiros com rendimentos de até R$ 1.800,00 recebem um subsídio de até 90% do valor do imóvel. Nas outras faixas, as famílias podem ter rendimentos de até R$ 7 mil e usar o FGTS para quitar parte da dívida. Desde seu lançamento, o programa permitiu que muitos brasileiros conquistassem a casa própria.

SIMULADOR HABITACIONAL
DA CAIXA

As novidades do Minha Casa Minha Vida

O Ministério anunciou na última semana que haverá uma revogação da Faixa 1 do programa Minha Casa Minha Vida. O programa agora vai disponibilizar 50% dos imóveis financiados e subsidiados para famílias com renda bruta mensal até R $2.640,00.

As faixas de renda também foram revistas em relação às faixas urbanas e rurais. Para as famílias residentes em áreas urbanas, os limites para as novas faixas são: Faixa Urbano 1 – renda bruta familiar mensal até R$ 2.640; Faixa Urbano 2 – renda bruta familiar mensal de R$ 2.640,01 a R$ 4.400; e Faixa Urbano 3 – renda bruta familiar mensal de R$ 4.400,01 a R$ 8.000.

Já para as famílias residentes em áreas rurais, os limites para as novas faixas são: Faixa Rural 1 – renda bruta familiar anual até R$ 31.680; Faixa Rural 2 – renda bruta familiar anual de R$ 31.680,01 até R$ 52.800; e Faixa Rural 3 – renda bruta familiar anual de R$ 52.800,01 até R$ 96.000.

O governo federal lança novo programa Minha Casa Minha Vida com inclusão de famílias em situação de rua e aquisição de moradias usadas. Os imóveis do programa também precisam ser adaptáveis a pessoas com deficiência, mobilidade reduzida e idosas, e terão preferência por fontes de energia renováveis, equipamentos de maior eficiência energética e materiais de construção de baixo carbono, incluindo aqueles vindos da reciclagem. Os empreendimentos do MCMV também seguirão critérios para estarem próximos a áreas comerciais, serviços e equipamentos públicos.

Como contratar o programa

EMPRÉSTIMO CAIXA TEM

Na prefeitura ou em entidades organizadoras, famílias de baixa renda podem se inscrever para participar do programa Minha casa minha vida de financiamento imobiliário da Caixa. Aqueles com renda mensal entre R$1.800,00 e R$7.000,00 também podem contratar individualmente, desde que façam uma simulação para verificar quanto pode ser investido.

Após a validação dos cadastros pelas prefeituras e a Caixa Econômica Federal, os selecionados receberão a data do sorteio das unidades e da assinatura do contrato de compra e venda. Se for optado por atendimento direto na agência ou no Correspondente Caixa Aqui, as melhores condições para o financiamento serão apresentadas, seguidas da assinatura do contrato de financiamento.

Passo a passo para pedir acesso ao Minha Casa, Minha Vida

Muitas famílias brasileiras enfrentam dificuldades para construir seu próprio lar. Pensando nisso, o governo criou o Plano de Moradias que oferece ajuda para aqueles que precisam de um lugar para morar. Por meio do plano, as famílias da Faixa 1 podem participar do sorteio de moradias.

De acordo com a Caixa Econômica Federal, para fazer parte do programa Minha Casa Minha Vida, as famílias precisam ter renda mensal bruta de até R $2.640 e nenhum dos seus integrantes pode ser proprietário, cessionário ou promitente comprador de imóvel residencial. Contudo, os interessados não podem ter recebido nenhum benefício habitacional do governo municipal, estadual ou federal, nem descontos habitacionais concedidos com recursos do FGTS.

O processo começa com a inscrição na prefeitura da cidade em que a família reside. Os dados são validados pela Caixa e aqueles que forem aprovados recebem informações sobre a data do sorteio das moradias. Após a contemplação com uma unidade habitacional, é necessária a assinatura do contrato de compra e venda. Para realizar a inscrição é preciso apresentar documentos oficiais de identificação e outros documentos exigidos.

Famílias de baixa renda têm acesso às melhores condições de financiamento para imóveis com o programa Minha Casa Minha Vida.

O passo a passo para se inscrever é simples: basta ter uma renda mensal de até R $8 mil e seguir as etapas específicas. 

O interessado deve realizar uma simulação de financiamento habitacional no site da Caixa, informando o tipo de financiamento desejado, o valor aproximado do imóvel a ser adquirido, sua localização e dados pessoais, como documento de identificação e telefone.

Após isso, são apresentadas as opções disponíveis para que se possa comparar os cenários de juros.

Se a família aceitar a proposta apresentada, é necessário procurar uma agência da Caixa ou um correspondente do banco e entregar toda documentação necessária para análise. Os documentos exigidos incluem comprovantes de residência, renda e estado civil, além dos documentos do imóvel (contrato de compra e venda, certidão do logradouro etc.). 

Depois que toda documentação for validada pelo banco, basta assinar o contrato de financiamento para dar início à aquisição do bem desejado.